Historial

A Associação Nacional de Agentes de Futebol exige ao Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol o cumprimento eficaz dos regulamentos e a punição dos jogadores e clubes utilizadores de agentes não licenciados pela FIFA.

Depois de recentemente ter participado ao Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) um conjunto de "eventuais relações ilegais entre jogadores, clubes e agentes não licenciados" com base na análise de declarações públicas dos vários intervenientes, a Associação Nacional de Agentes de Futebol (ANAF) pede agora uma intervenção rápida.

"Na sequência de várias atrocidades cometidas perante os olhos de toda a gente, é nossa obrigação chamar a atenção ao organismo máximo do futebol português, a Federação, e ao seu Conselho de Disciplina, sobre o que realmente se passa", disse à Agência Lusa Artur Fernandes, presidente da ANAF.

O líder máximo dos agentes de futebolistas em Portugal, recusou-se a confirmar os nomes dos jogadores, clubes e empresários apurados pela Agência Lusa como alvo de investigação por alegadas irregularidades, e disse ainda não pretender atingir ninguém em particular, mas "apenas apurar os factos".

"Todos os dias se lê nos jornais, se vê na televisão ou ouve nas rádios, um jogador x dizer que está a ser representado por um indivíduo y. Depois, percebemos que esse indivíduo y não é agente licenciado pela FIFA. Isto tem de acabar", exigiu Fernandes.

O presidente da ANAF, que explicou também ser "normal" os clubes falarem em determinados intermediários nas transferências, também eles não licenciados pela FIFA, pediu por isso para o CD da FPF agir em conformidade com os regulamentos.

"A FPF tem de verificar os documentos e depois agir. As irregularidades devem ser punidas. As pessoas podem saber conduzir muito bem, mas apenas o podem fazer se tiverem carta de condução. Caso contrário, há uma punição", finalizou Artur Fernandes, em alusão à intermediação de jogadores por agentes não licenciados.